02/12/2008

A Festa do Colégio

A neve, e que nevão á moda antiga, ia fazendo das suas. Contribuiu para que muitos interessados não se pusessem a caminho. Entre a aventura de pisar a neve ou ficar no sofá, muitos foram os que optaram pela segunda hipótese. Mas, atenção, a Festa do Colégio fez-se com o cumprimento de quase todo o programa e, deixai que vos diga, com grande animação.
Concentração com uns a chegar e a contar as suas aventuras, o Capelão antigo aluno, António Diogo Martins, bloqueado na Senhora da Saúde, o José Manuel Ferreira Vaz, "o lisboeta"lembram-se? com dificuldades em sair da casa dos pais em Gralhas, a Mimi, de Chaves, com o carro a ser empurrado e que ainda acabou por bater, o Sarmento Lameirão, todo feliz porque veio de Chaves, da casa da mãe e não teve dificuldades com o seu "bolinhas", etc. etc. O Carlos Antunes, da Comissão Organizadora, bloqueado em Penedones e em falta com afazeres em espera.
Bom, mas a Missa cantada, a romagem ao cemitério e depois o almoço convívio pela tarde adiante e noite fora não podiam correr melhor. A Dra Margarida prendada. Uma rica tela, obra de Carlos Antunes que, pensamos, a deixou satisfeita. Depois, a bailação, mas que alegria a daqueles animados barrosões com o Victor afonso a adiantar-se a todos. Está um bailarino feito, o Victor! A Lena Teixeira, a Luiza... eh, eh, eh....
Finalmente parece que ali todos se esqueceram da neve. Um caldo verde e o leitão culminaram com a Festa que teve cerca de 80 presenças, algumas pela primeira vez na Festa do Colégio.
Para o ano, se Deus quiser, há mais... porque uma Comissão foi eleita para tratar do caso.
cm

26/11/2008

Festa do Colégio de Montalegre

Externato Liceal de Montalegre

PROGRAMA

29 de Novembro de 2008


10.00/10.30 – Cumprimentos junto ao Terra Fria e ao Recreio do Colégio

10.30 – Inauguração da sede da Comissão Organizadora dos Convívios

11.30 – Missa na Igreja do Castelo celebrada pelo aluno António Diogo Martins, Capelão do Exército e padre de Castelões

12.00 – Romagem ao Cemitério de Montalegre para honrar os professores, agentes e alunos falecidos que passaram pelo Colégio. Oração de Manuel Esteves de Moura

13.30 – Almoço – CONVÍVIO no Restaurante Terra Fria com animação a cargo do agrupamento do Colégio, o “CLAVE”

- Distribuição de prendas a todos os participantes

- Bailação

19.00 - Ceia com leitão da bairrada e caldo verde e bebidas à descrição

Extra programa, para eventuais interessados

21.00 horas no Auditório Municipal de Montalegre

- “Sonhar com um mundo melhor”, peça de teatro dos alunos do Curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural, da Escola Secundária Dr. Bento da Cruz

- A VISITA, de Moncho Rodriguez com o conhecido actor Pedro Giestas

Se passaste por esta casa, deves aparecer e conviver para relembrar os bons velhos tempos!

19/11/2008

Notícias

Padornelos
Secretário da Junta em Lisboa

O caso é objecto de crítica de toda a gente, mas ninguém gosta de “dar a cara”. Receio de represálias de diversa índole poderão estar na origem das atitudes que as pessoas tomam, mas injustificadamente porque neste mundo há lugar para todos e todos podem livremente expressar-se desde que tenham como limite a dignidade dos demais.

Então o caso é que o Secretário da Junta de Freguesia de Padornelos, de seu nome José de Oliveira Gomes, faz toda a sua vida em Lisboa e só aparece em Padornelos nos finados e no Verão em gozo de férias durante um mês. A situação já se mantém desde 2002, portanto desde há anos a esta parte (dois manadatos).

José Gomes é reformado da Polícia marítima mas arranjou uma ocupação em Lisboa que o mantém por lá, descurando por completo, conforme dizem os da oposição, os afazeres que são próprios da Junta de Freguesia.

E o que diz a lei?

A lei não obriga os eleitos, mesmo os executivos, a residir na autarquia por donde foram eleitos. Nem tão pouco há qualquer irregularidade no caso porque, segundo a lei orgânica nº 1/2001, de 14 de Agosto, o que conta para ser eleito é o cidadão ter capacidade eleitoral, podendo assim um indivíduo de Santo André concorrer à Junta de Cabril ou, como é o caso, um residente em Lisboa ser eleito por Padornelos.

No entanto, também diz a lei que os executivos (presidentes, secretários e tesoureiros das Juntas e veradores das Câmaras com funções delegadas), para o cabal desempenho das suas funções, devem acompanhar todos os actos administrativos da autarquia, assistir às reuniões e substituir o presidente na impossibilidade deste, etc.etc. Para que tal aconteça com alguma normalidade, os executivos (vereadores e membros das Juntas) devem ou residir na freguesia ou, em caso de impossibilidade, em local donde possam acompanhar os actos administrativos do orgão. Ora, no caso em apreço, não é de se acreditar que alguém que reside em Lisboa possa desempenhar com zelo as funções inerentes. A assembleia de freguesia pode denunciar tal situação como anormal e o povo tirar do caso as ilações que achar por mais convenientes. Pois o que aqui acontece é tão somemte um aproveitamento pessoal em manifesto prejuizo da autarquia, que paga serviços sem receber qualquer contrapartida em troca. Cm



Montalegre

Faleceu no dia de finados no Cemitério

Quando decorria a missa de sufrágio pelas almas sepultadas no Cemitério de Montalegre que, tal como vem sendo costume, as pessoas aproveitam para acompanhar a celebração junto das campas dos seus entes queridos, a Tia Judite, como todos a tratavam em Montalegre, teve um ataque supostamnente do coração que a prostou sobre terra. Acudindo de pronto as pessoas presentes, logo telefonaram para os Bombeiros de Montalegre que pouco tempo depois compareceram no local.

A “Tia Judite” ainda saiu com vida do cemitério mas quando deu entrada no Centro de Saúde de Montalegre, os técnicos presentes mais não fizeram do que confirmar o seu óbito.

Pessoa de bem, mãe de 9 filhos, Judite Rodrigues era natural de Montalegre onde morava na Rua da Costa,e estava casada com Amadeu Dias Rodrigues da Fonte


Salto

Pólo do Ecomuseu de Salto no "Portugal em directo".

O conhecido programa da RTP "Portugal em directo" mostrou a todo o mundo o Polo do Ecomuseu de Barroso de Salto numa reportagem alargada que serviu para dinamizar, ainda mais, a identidade cultural do concelho de Montalegre.

Foram feitos três directos, conduzidos pelo jornalista Rui Sá, e ilustrados com um leque de imagens captadas no interior do museu. Vários minutos de promoção de um espaço que é um verdadeiro «emblema do concelho», disse, no final, David Teixeira, director do Ecomuseu de Barroso.

Com 200 objectos expostos e mais de 1000 em reserva, o Pólo do Ecomuseu de Salto, com esta reportagem, ficou com maior visibilidade. Isto mesmo reconhece David Teixeira: «quisemos com este desafio divulgar este projecto não só para as gentes de fora do concelho como também para aqueles, que residem cá, que ainda não tiveram oportunidade de visitar este local». João Azenha, antropólogo e quadro da Câmara de Montalegre, afirmou que é importante que «a população se reveja neste espaço» porque estamos perante um projecto «de valor local, regional e mesmo internacional».

“Barroso merece”

Conhecedor da região, o jornalista Rui Sá não escondeu a satifação pelo trabalho realizado: «correu tudo bem, aliás tudo que se passa no Barroso corre bem. Quisemos mostrar uma nova face do Ecomuseu com estes pólos inaugurados e temos coloborado desde há muitos anos. Hoje tivemos quase 20 minutos de directo. Barroso merece. Barroso merece ser divulgado e ser mais conhecido. Isso é serviço público e é o que a RTP está a fazer». RM

Crime em Parafita

Crime em Parafita

João Morais morto no caminho de Botrigo

No passado dia 2 de Novembro, cerca das 19,30 horas, a GNR de Montalegre procedia ao isolamento dum dos caminhos que da barragem dão até Parafita. Todas as pessoas se benziam, nem acreditavam, porque, nesta pacata aldeia da freguesia de Viade de Baixo, tinha aparecido uma pessoa morta, no caminho rural denominado Botrigo, a cerca de 100 metros das habitações.

O caso reveste todas as características de crime porque João Baptista Morais, casado, com Maria Pires Barroso Morais, pai de dois filhos maiores, João e Goreti, agricultor, apareceu estendido no caminho, deitado de bruços, com uma perfuração de bala nas costas. Ao lado, um molho de erva que se destinava ao burro e uma forquilha que normalmente levava consigo para o monte. João Morais, homem pacato, tinha 76 anos de idade e regressava a casa atrás das vacas.

Eram mais ou menos 16,30 horas quando tudo aconteceu. Porém, só só mais tarde, quando a sua esposa, Maria Pires Barroso, notou a falta do João é que dois vizinhos que a acompanharam até ao referido caminho, descobriram o João Morais já sem vida.

Como é da lei, a GNR contactou de imediato a Polícia Judiciária que procedeu às primeiras averiguações no local. O processo foi logo entregue à Polícia Judiciária de Vila Real que já procedeu a diligências várias com vista a encontrar vestígios sobre o caso em investigação. Feita a autópsia, espera-se pelos seus resultados mas as fotografias tiradas ao cadáver não deixam dúvidas de que a perfuração, uns dizem de bala outros de cumbo de caçadeira, penetrou nas costas tendo-se alojado nos rins. Sobre o caso a Pj já ouviu um suspeito desconhecendo-se, nesta altura, ulteriores desenvolvimentos do processo.

Duas notas mais. Ninguém ouviu nenhum tiro, muito embora certas pessoas tivessem visto passar as vacas, caminho acima, atravesar a estrada nacioal 103 e seguir até à corte. Além disso, a bala terá sido disparada de bem perto, à queima roupa, mas ficou alojada dentro do corpo, o que parece inacreditável.

Depois, como se tão má sorte não bastasse ao infeliz do João Morais, a Polícia Judiciária, segundo testemunhos presenciais, quando chegou junto do corpo, rasgou as vestes do cadáver, despiu completamente o Morais e deixou-o naquele estado como se de um qualquer farrapo se tratasse. Miséria! Já não há respeito por parte de quem tem o dever de disciplinar a comunidade. Nem sequer pelos mortos! Ao que nós chegámos!

CdMoura


Na edição nº 322, de 14 de Novembro, pode ver:

II Jornadas Culturais de Barroso com o actor Pedro Giestas em manchete

Notícias várias

e Cortejo Celestial na página 2

The Portuguese Language, de Dias Vieira, na página 3

Antologia de poetas barrosões, CM, José Rodrigues (USA), Francisco Laranjeira, Lita Moniz (Brasil) e António Pereira Alves na página 4

Professores e Educadores do Agrupamento de Escolas de Montalegre decidem por unanimidade suspender o processo de avaliação e

Provérbios de S. Martinho na página 5

Jornal da Escola Secundária Dr. Bento da Cruz a ocupar as páginas 6 e 7

O Clube de Golf de Montalegre na página 8

Um sonho finalmente realizado, crónica de Duarte Gonçalves sobre a eleição de Obama e

Pontos de vista de Júlio de Barros na página 11

Na página 13, a jornalista Maria José Afonso entrevista o actor Pedro Giestas que, nos dias 27, 28 e 29 estará entre nós com a peça "A Visita"

O correspondente em Paris, José Duarte, fala da crise de valores que estão na origem do colapso financeiro que o mundo está a sentir. Também as Cartas do Leitores na página 13.

A última página é exclusivamente dedicada ao Papaventos Clube de Parapente e ao Magusto de S. Martinho que promoveu no dia 16.




04/11/2008

Paredes do Rio

Na continuidade das visitas guiadas pagas a esta aldeia, no fim de semana de 25 e 26 de Outubro, fomos invadidos por turistas que queriam conhecer as maravilhas de Barroso e seus usos e costumes, tendo ficado maravilhados com a reconstrução dos moinhos, canastros, forno comunitário, igreja, pisão, arruamentos e utensílios agrícolas em desuso que se encontram em exposição na aldeia, bem como com o contacto directo com a população e sua cultura.

No sábado, como em todos os fins de semana, tivemos a visita do grupo de turismo senior, trazido pela CTVR. Este grupo de 50 pessoas saiu daqui deslumbrado, pois acabaram por reviver a sua infância, dando especial valor ao espírito de comunitarismo e de interajuda que ainda se mantém vivo nesta aldeia.

No Domingoo, os visitantes eram outros. 60 “cavaleiors de asfalto” deslocaram-se da Maia em 35 motos de alta cilindrada, só sendo possível esta visita devido ao trabalho conjunto entre a Associação Social e Cultural de Paredes do Rio e o “Grupo Motard da Madalena”. Este grupo foi esperado e sensibilizado por membros da Associação, que conduziram as Motos pelo Centro da Aldeia, estacionando todas as viaturas em locais que não pudessem prejudicar de alguma forma os seus habitantes. A população teve uma boa aceitação, colaboração e muita curiosidade com este evento. Ao contrário da impressão que tinhamos sobre os motards, estes surpreenderam-nos pela positiva, tendo demonstrado um grande interesse pelo que viram, apresentando-se bastante organizados e muito respeitadores, quer para com os habitantes quer para com os animais.

Terminou em grande este fim de semana com a despedida dos motards, enchendo de orgulho Paredes do Rio pela aposta nas visitas guiadas pagas, que cada vez trazem mais forasteiros que procuram o que de tão especial nós aqui temos: a nossa simplicidade, o trabalho comunitário e o orgulho em sermos Barrosões.

O Presidente da Associação,

José Carlos Moura

Vilar de Perdizes

Halloween

O Halloween foi celebrado, este ano, na conhecida aldeia de Vilar de Perdizes e juntou um número considerável de curiosos que não perderam a oportunidade de viver uma noite diferente. Os restaurantes encheram-se de gente vinda um pouco de todo o lado a par de uma encenação muito bem conseguida pela companhia de teatro Filandorra.

Um teatro de rua que juntou curiosos, primeiro no largo da aldeia, depois junto à igreja com a queimada esconjurada pelo Padre Fontes.

Fátima Crespo, líder da Associação de Defesa do Património de Vilar de Perdizes, falou em nome da organização (em conjunto com a Junta de Freguesia e Câmara Municipal de Montalegre) referindo que foi uma iniciativa «muito bem conseguida porque houve envolvimento da comunidade».

O Dia das Bruxas (Halloween, nome original na língua inglesa) é um evento de cariz tradicional e cultural, que ocorre nos países anglo-saxónicos, com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações pagãs dos antigos povos celtas. RM

Montalegre

Papaventos organiza percuso

Pelo nosso Barroso desconhecido!

Organizado pelo Papaventos - Clube de Desportos de Montanha de Montalegre, decorreu no Domingo, 19 de Outubro, um percurso pedestre que começou a ser elaborado por alguns associados, quando há cerca de ano e meio,movídos pela curiosidade de ver uns moínhos

entre Bustelo e Friães que pessoas locais lhe terão falado, nasceu aí o sonho de revitalizar aquela zona já muito degradada. Os caminhos eram intransponiveis, aos poucos uniram esforços para poderem concretizar o tal sonho de poder circular entre eles. Ficam sítuados num local muito bonito, em que os moínhos e o regato ficam envolvidos por penhascos de rara beleza. Aos poucos conseguiram minimamente o seu objectivo. É claro que o sonho não acabou aqui, falta o mais difícil: uma limpeza mais aprofundada e a reconstrução e restauro de alguns moínhos serão necessários para que este belo local não morra, terá que haver intervenção das entidades locais, (Câmara, Junta de Freguesia e propriétarios, etc.). Eles irão certamente fazê-lo, aí o sonho ficará concretizado e o Nosso Barroso mais rico.

No percurso estiveram presentes meia centena de pessoas vindas de vários pontos do país.

O encontro deu-se ás 9h00 junto do Restaurante Sol e Chuva nos Pisões.

Ás 9h30m partímos a pé da Senhora da Saúde em Friães para percorrer os cerca de 5 Kms de percurso por caminhos e carreiros rodeados de muros de pedra e lameiros, na direcção de Bustelo, daí na direcção dos moínhos, onde nos esperava uma agradável surpresa:

O Miguel Moura e o Zé Carlos de Parêdes, auxiliados pelo Ferreira, a Carla e a Paula, foram às 7h00 da manhã montar um slide nos penhascos, para presentear cerca de trinta pessoas com um "voo" por cima dos moínhos, o qual maravilhou quem o fez e também o resto dos presentes.

Ao mesmo tempo, o Zé Manel Barroso e a sua mulher com muita amabilidade presenteava-nos com o moínho a funcionar, pois já fazia 3 anos que tal não acontecia. OBRIGADO ZÉ!

Fomos acabar de fazer a visita aos outros moínhos e rumamos por Friães na direcção da Senhora da Saúde.

Ainda antes de almoçar,fomos fazer uma visíta guiada á Central da Barragem dos Pisões pelos simpáticos técnicos, os Srs. Alcino e Afonso.

Ás 14h00 fomos almoçar ao Restaurante Sol e Chuva que tão bem nos recebeu e serviu.

Todos os presentes ficaram maravilhados pelo evento, ficaram com vontade de repetir, quer seja pelas nossas maravilhas, quer seja pelo convívio.

Venham mais eventos destes, Barroso agradece!!!

II Jornadas Culturais de Barroso

Nações Unidas2008 Ano Internacional da Batata

A batata e o desenvolvimeento económico do concelho

A sessão que a organização das Jornadas Culturais de Barroso promoveu para o passado dia 31 de Dezembro, no Auditório Municipal, teve uma assistência significativa. Tendo em conta que nesse mesmo dia e horas o Halloween se festejava em Vilar de Perdizes e também em Montalegre, muitos jovens estiveram presentes. Cabril e Paredes do Rio também apareceram em força, o que dá boas indicações da forma como nestas localidades se encaram os problemas do futuro da nossa terra.

Entre a assistência, pessoas conhecidas de Montalegre e outras que, não sendo cá residentes, deslocaram-se desde Vila Real, Guimarães, do Porto e de Lisboa para estar presentes na discussão dos problemas que nos dizem respeito, facto que a ninguém passou despercebido e a nós nos deu como que uma certa compensação do grande esforço feito com a execução deste projecto de servir desinteressadamente a nossa terra. Referimo-nos concretamente ao Cor. Dias Vieira, Dr. Barroso da Fonte, Dr. António Freitas, Dr. Bento da Cruz, Engº Poças de Almeida, pedindo desculpas pela omissão de alguém a merecer idêntica nomeação.

O painel de convidados também levava a acreditar num serão bem passado com intervenções que teriam o maior interesse para todos. No fim da sessão verificou-se que a sobrecarga de intervenções acabaram por, em parte, prejudicar os resultados que se esperavam. Mas, a organização só tem motivos para se sentir orgulhosa por ter trazido a Montalegre personalidades ilustres da UTAD e de Ourense (Galiza) que deram um contributo precioso aos objectivos das Jornadas.

Depois da apresentação da parte recreativa em que André Varandas exibiu a peça “Montesalegres” e um grupo improvisado entoou cantigas da nossa terra, arreliadoras avarias nos computadores obrigaram a alterar a ordem de aprensentação das intervenções. E assim o Prof. Dr. Fernando Martins, da UTAD, ultrapassou as dificuldades das tecnologias que persistiam na mesa e começou, com obstáculos à mistura, a explanar o tema “A produção de batata em Portugal”. Ouviu-se então a história da batata no mundo e a sua entrada na Europa trazida pelos espanhóis. Em Portugal entrou nos finais do século XIX e daí em diante alternou períodos de grande expansão com outros de menor força. As variedades e as doenças que minam a produção do tubérculo também foram abordadas pelo catedrático afirmando que o míldio terá sido uma doença devastadora que arrasava campos inteiros tornando-os inférteis. O Prof. Fernando Martins falou também do interesse que a nível mundial tem a batata, um dos alimentos mais consumidos depois do arroz, do trigo e do milho.

Com as dificuldades de ligação dos computadores ainda não completamente resolvidas, José Manuel Rodriguez apresentou-se a identificar o INORDE (Instituto Ourensano de Desenvolvimento Económico) que é o motor de desenvolvimento da província. Dependente da Diputacion de Ourense, o Inorde actua em todos os sectores do desenvolvimento económico desde o agropecuário ao turismo.

O objectivo deste organismo é oferecer aos empresários assistência e informação. Presta assistência e dá informação acerca das ajudas e subvenções dos fundos comunitários e dá a posibilidade de utilizar a sua própria base documental, asim como a conexão com as bases temáticas mais importantes. Desta forma oferece ao empresário a informação necessária para canalizar investimentos e ajudas aos seus projectos da melhor forma possível.

O Inorde colabora ainda com as empresas da província na promoção e divulgação dos seus produtos, através de feiras e organizando viagens e missões comerciais.

Valendo-se de meios audiovisuais, mostrou imagens elucidativas do seu funcionamento nos quais se viu que a província tem bem demarcadas as zonas das suas diferentes características, o que configura os inúmeros estudos realizados.

Referiu-se aos investimentos que têm sido feitos pelo Inorde na província com o fim de facilitar a vida aos empresários. Em Xinzo onde recentemente se realizou o I Salão Monográfico da Batata foi construido um Centro Agrogandeiro onde os empresários agrícolas podem obter os apoios de que necessitam tanto no que se refere às técnicas de produção como aos apoios em diferentes âmbitos. Em Riós, disse, será em breve inaugurado outra infraestrutura semelhante mas virada para a castanha, o azeite e os cogumelos.

Conclui a parte das intervenções o Dr. António Chaves que falou sobre o desenvolvimento rural do concelho de Montalegre, tendo apresentado casos de sucesso e abordando ao de leve outros que estão a aparecer na Galiza.

Dado o adiantado da hora, a organização pela voz do moderador da mesa, Carvalho de Moura, decidiu terminar os trabalhos sem que tivesse havido o debate que certamente estava a ser aguardado porventura com expectativa por parte de muitos dos presentes ansiosos por ver esclarecidas algumas questões ali abordadas.

18/10/2008

Notícias

Trás-os-Montes e Alto Douro

Grande Cancioneiro do Alto Douro

Altino Moreira Cardoso, antigo elemento da Tuna Académica da Universidade de Coimbra e da sua Orquestra de Câmara Carlos Seixas, apresentou, em projecção multimédia, o seu livro Grande Cancioneiro do Alto Douro, no dia 4 de Outubro de 2008, no Auditório da Fundação, à Rua Tenente Valadim, 325, Porto.

A obra terá 3 grandes volumes, de que já estão publicados os dois primeiros, num total de 1280 páginas e 1150 cantigas.

Fez uma intervenção acerca da Obra o Professor Doutor Levi Leonido, do Departamento de Artes da UTAD (Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro).

Actuou o Coral de Letras da Universidade do Porto, sob a regência do Maestro Borges Coelho.

Montalegre

Actor Pedro Giestas

O conhecido actor Pedro Giestas esteve nos dias 9, 10 e 11 de Outubro no concelho de Montalegre para efectuar um trabalho de pesquisa de memórias populares. Junto das gentes da terra, Pedro ouviu 'estórias', sentiu o silêncio da vida e da solidão. Com esta pesquisa, ele pretende auxiliar a montagem do espectáculo "A Visita", uma produção do Centro de Criatividade - Póvoa de Lanhoso e do Teatro Invisível, que assim quer desafiar os preconceitos do mundo artístico contemporâneo, para com o teatro que se referencia na cultura popular.

O espectáculo "A Visita" será o resultado de uma pesquisa no imaginário fabuloso do universo rural e quer chamar a atenção para a problemática do homem diante da desertificação das aldeias em Portugal, o abandono de uma cultura com identidade própria, o esquecimento daquilo que somos.

Recursos florestais em debate na Cooperativa

A Asflobar e a Cooperativa Agrícola de Montalegre realizaram dia 11 de Outubro no auditório desta, uma sessão de esclarecimentos com o Presidente da Autoridade Florestal Nacional (AFN) no âmbito do programa PRODER (Programa de Desenvolvimento Rural) no que concerne a medidas de apoio ao desenvolvimento do espaço florestal. Para José Justo, Presidente da Cooperativa Agrícola de Montalegre, várias medidas do PRODER não se ajustam à realidade de Barroso, e é necessário ajustá-las uma vez que «a legislação já saiu e há algumas medidas que não têm aplicabilidade, é preciso que a lei nacional tenha uma componente regional, em especial às áreas do interior, e este é o principal recado que queremos que seja transmitido, e resolvido”.

Em relação a esta questão António Rego, Presidente da AFN «o realinhamento deste novo serviço com as Nutes II tem subjacente uma ideia muito forte de tentar ter uma cobertura do terreno, do território muito mais eficaz que anteriormente. Teremos nesse sentidode atender às necessidades regionais na medida do possível.” afirmou.

Recorde-se que a Autoridade Florestal Nacional veio substituir a Direcção Regional dos Recursos Florestais passando a acompanhar todos os investimentos e aplicação de fundos públicos nas reservas florestais cabendo-lhe ainda a missão de promover o desenvolvimento sustentável dos recursos florestais e dos espaços associados e ainda dos recursos cinegéticos, apícolas e aquícolas das águas interiores e outros directamente associados à floresta e às actividades silvícolas, através do conhecimento da sua evolução e fruição, garantindo a sua protecção, conservação e gestão, promovendo os equilíbrios intersectoriais, a responsabilização dos diferentes agentes e uma adequada organização dos espaços florestais, assim como a melhoria da competitividade das indústrias que integram as várias fileiras florestais, bem como a prevenção estrutural, actuando de forma concertada no planeamento e na procura de estratégias conjuntas no domínio da defesa da floresta, assumindo as funções de autoridade florestal nacional.

Pisões

Residência para idosos

Por todo o próximo mês vai abrir nos Pisões uma nova Residência para idosos. Situada no lugar de Pisões, no largo do Devesa, a nova residência tem capacidade para acolher 22 utentes em regime de internamento e Centro de Dia.

Devido à sua localização, poderá muito bem servir a população não só da freguesia de Viade de Baixo como também Fervidelas, Chã e ainda quase toda a bacia do Rabagão.

A residência é privada e o seu funcionamento vai criar 10 postos de trabalho. As inscrições já estão a decorrer.

Meixide

“A herança no Barroso”

No passado dia 4 de Outubro, foi apresentado pela 1.ª vez em Meixide um filme realizado pelo jornalista Luís Ribeiro. O argumento é da autoria de João Domingos Sanches e a produção assinada pela Televisão Transmontana.com, com sede em Vila Real.

A narração anda à volta de um contrabandista que, forçado a emigrar, nunca mais voltou à terra. Os seus netos, passados 70 anos, quiseram conhecer a terra e os bens que o avô ali teria deixado. Contudo, começam a ver que a dita herança bem como os terrenos, prédios e um tesouro em libras de ouro terão sido roubados.

O realizador fez o trabalho em escassos 40 dias, durante as últimas férias, aproveitando a estadia dos emigrantes. O elenco dos actores são os próprios habitantes da aldeia mais um jovem casal de namorados, estudantes da UTAD (Universidade de Trás-os-Montes) que protagonizam cenas amorosas perseguidas de perto por uma outra jovem que morre de ciúmes pelo suposto seu namorado.

A “Herança no Barroso” reflete os usos e costumes de uma aldeia de Barroso onde se pode ver as vezeiras, as mandas de vacas e outros costumes característicos das terras de Barroso.


Olá, antes de retomar a "vida" do meu Blogue, é da mais elementar justiça que eu peça desculpas aos meus seguidores internautas pela minha ausência e tão prolongada. Razões? Várias, e gostaria de não me debruçar sobre o assunto.
Vamos retomar a caminhada bloguista, dando aqui conta das notícias que vão saindo no jornal de Montalegre, o "Notíicas de Barroso".

Festa do Colégio de Montalegre

A V I S O

É dia 29 de Novembro o dia que foi escolhido para a realização da Festa do Colégio.

A alteração da data que, neste jornal e noutros meios de comunicação social foi indicada, fica a dever-se a razões de ordem prática e pessoal invocadas por alguns “militantes” do Colégio com as suas residências fora de Montalegre.

A organização informa que estão abertas as inscrições (30,00 €) que podem ser feitas através de transferência bancária na CO da CGD nº 0501 018301600 aberta em nome de Carvalho de Moura, Manuel Duarte e João da Silva Carvalho, e devendo para o efeito usar-se o seguinte NIB: 0035 0501 000 18301600 93.

Estes citados membros da organização também se responsabilizam pelas inscrições daqueles que as queiram fazer directa e pessoalmente.


Festa do Colégio2008

Rua Dr. Victor Branco, Edif. do Colégio, Sala 2

5470-Montalegre

Blogue: colegioomontalegre.blogfacil.net

Montalegre, 2008-10-14

Caro(a)s Amigo(a)s

Estamos a dar-vos conhecimento de algumas novidades que temos nesta altura e das quais esperamos que delas tomeis boa conta.


Primeira, a Comissão Organizadora da Festa do Colégio2008 decidiu que, a pedido de “várias famílias” que residem fora de Montalegre, a nossa Festa do Colégio se irá realizar no próximo dia 29 de Novembro, como forma de continuarmos a lembrar as muitas traquinices que, por estas alturas, alguns faziam naqueles memoráveis tempos de há meio século atrás.

Depois, o programa, este ano, com algumas novidades:

10,00 – Concentração no Colégio e/ou arredores

10,30 – Inauguração da sede da Comissão Organizadora com descerramento de lápide comemorativa

11,30 - Missa solene na Igreja do Castelo, seguida de Romagem ao Cemitério de Montalegre com o fim de honrar os N/mortos do Colégio

13,00 – Almoço de confraternização no Restaurante Terra Fria2 seguido de animação a cargo do Grupo do Colégio “CLAVE”

Como é da praxe, avisamos que o programa poderá estar sujeito a eventuais alterações.

Por último, o custo que foi acordado é de 30,00 €, podendo as inscrições ser feitas através de transferência bancária na CO da CGD nº 0501 018301600 aberta em nome de Carvalho de Moura, Manuel Duarte e João da Silva Carvalho, e devendo para o efeito usar-se o seguinte

NIB: 0035 0501 000 18301600 93 ou através de cheque passado à ordem de José António Carvalho de Moura e outro.

Enviamos cumprimentos amigos e saudações cordiais,


P’ A Comissão Organizadora,


PS - O Colégio de Montalegre tem blogue“colegiomontalegre.blogfacil.net”

Participa, ele também é teu, é de todos os barrosões que gostam de Montalegre



31/07/2008

Notícias

Adão Lopes condenado a 18 anos de cadeia

O ex-GNR de Montalegre que, há cerca de um ano, disparou mortalmente sobre o vizinho e feriu gravemente a mulher, na sequência de uma discussão motivada por um galinheiro, foi condenado a 18 anos de cadeia e ao pagamento de uma indemnização. O advogado vai recorrer da decisão.

Adão Lopes, um ex-guarda fiscal de 74 anos, foi condenado, em cúmulo jurídico, a 18 anos de cadeia efectiva. Estava acusado de dois crimes: um de homicídio qualificado e outro de homicídio na forma tentada.

Os crimes remontam a Junho do ano passado. E terão surgido na sequência de uma discussão entre o alegado autor dos disparos e o casal vizinho. Na origem da contenda estaria um galinheiro cujo cheiro incomodaria o agressor. A vítima mortal, Daniel Carneiro Afonso, de 65 anos, terá tido morte imediata. A mulher, de 64, foi evacuada de helicóptero para um hospital do Porto, onde esteve internada em coma. Recuperou, mas ficou com os movimentos bastantes reduzidos e, por isso, dependente de terceiros.

O ex-GNR alegou legítima defesa. Terá dito que também foi agredido e que lhe foi lançado um spray que o deixou em “pânico” e que o levou a disparar. O advogado vai recorrer do acórdão, por “não se ajustar à verdade processual”. Para José Augusto Branco, no que se refere ao crime de homicídio na forma tentada, o colectivo de juizes não teve em conta a “legítima defesa”, que diz ter ficado provada. “Há provas de que não houve premeditação de nada e de que ele também foi agredido ”, frisou.

A indemnização a pagar incidirá sobre uma terça parte da reforma do condenado.

Fernando Luís apanhou 15 anos de cadeia e 140.000 € de indemnização

No mesmo dia foi também conhecida a pena aplicada ao emigrante que em Agosto de 2006, na aldeia de Torgueda, disparou mortalmente sobre outro emigrante da mesma aldeia na sequência de uma rixa que terá envolvido vários indivíduos e que terá começado por causa de um boi. Fernando Luís, de 48 anos, foi condenado a 15 anos de prisão efectiva e ao pagamento de uma indemnização de cerca de 140 mil euros à filha menor da vítima. O advogado ainda está a estudar o acórdão para avaliar se irá ou não recorrer.

O homicídio de Torgueda terá acontecido já quase à noite. A vítima teria ido passear o boi com um primo e Fernando Luís terá ficado irritado com a poeira provocada pela passagem do animal junto à sua casa e terá começado a lançar-lhe pedras e a exigir a sua retirada. A discussão terá começado de seguida. Entretanto, terão entrado em cena o irmão e o cunhado de Fernando Luís, que terá ido a casa buscar a caçadeira e disparado sobre Joaquim. A seguir, juntamente com o irmão e o cunhado, terá fugido, tendo-se apresentando na GNR no dia seguinte. ML

Vilar de Perdizes

O passado e o presente nos carreiros do contrabando"

A Associação de Defesa do Património de Vilar de Perdizes, promove no dia 9 de Agosto uma jornada cultural que invoca uma das mais memoráveis práticas do passado: o contrabando. Os interessados em participar podem inscrever-se pelo preço simbólico de 5 Euros.

Organizada pela Associação de Defesa do Património de Vilar de Perdizes, conta com o apoio do Ecomuseu de Barroso, Junta de Freguesia de Vilar de Perdizes, do Padre Fontes e da Rádio Montalegre.

Recorde-se que recentemente o Município de Montalegre inaugurou a Rota do Contrabando de Vilar de Perdizes, mais uma aposta do concelho na vertente turística.

Tourém

Noite de Contrabando

A iniciativa é da Junta de Freguesia de Tourém que assim recupera uma das práticas ancestrais da raia fronteiriça. É no próximo dia 11 de Agosto e prevê uma encenação a recriar o espírito "vagabundo" do Barroso antigo.

A "Noite de Contrabando", acção organizada pela Junta de Freguesia de Tourém com o apoio do projecto camarário Ecomuseu de Barroso e da Rádio Montalegre, inicia-se, pelas 20 horas, no coração da aldeia, mais concretamente no Largo do Cruzeiro. Acto contínuo, dá-se a saída dos "contrabandistas" que vão fazer um périplo mítico por aquela aldeia fronteiriça: passagem pelo marco 100, visita à aldeia galega de Randín e, por fim, convívio no centro de Tourém.

Montalegre

Festa da Juventude

Integrada no programa das Festas Concelhias 2008, a Festa da Juventude realiza-se no dia 8 de Agosto no Castelo de Montalegre. Trata-se duma jornada de animação e convívio que os jovens podem desfrutar no recinto do Castelo. A Festa da Juventude com jogos e concertos promete muita “animação, boa onda e sempre a top”, como tem de ser.

Corrida de Camiões na Pista de Rallys

Evento, promovido pela Desigual Eventos, acontece nos dias 9 e 10 de Agosto na Pista Automóvel de Montalegre. Fim de semana promete ser de pura adrenalina. Presença confirmada de Paulo Martinho que efectuará algumas sessões de Freestyle. Bilhetes à venda no Posto de Turismo de Montalegre (276 511 010).

A Pista Automóvel de Montalegre recebe nos próximos dias 9 e 10 de Agosto, o 1º Camião Cross Internacional de Montalegre, evento promovido por Pedro Amado/Desigual Eventos que conta na organização (direcção técnica da prova) com o Clube Automóvel de Vila Real em estreita colaboração com o Município de Montalegre, que assim continua a sua aposta de promoção da região barrosã através do desporto motorizado.

A juntar à vertente competitiva, há outros atractivos como é exemplo a já confirmada presença da Paddock Competições, que estará presente em Montalegre com os seus pilotos e veículos do Dakar, os quais proporcionarão algumas sessões de co-drive, e ainda de Paulo Martinho, que efectuará algumas sessões de Freestyle.

Na componente social, sublinhe-se a presença da APCC (Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral), entidade à qual será proporcionada um dia diferente no seio da competição automóvel.

Entre os inscritos, com as cores nacionais, refira-se os nomes de Eduardo Rodrigues, José Rodrigues, Bruno Neto, José Fernandes e Avelino Reis. Aliás, como é sabido, a familia Rodrigues está recheada de êxitos.

Em suma, Montalegre vai, desta forma, voltar a apreciar as corridas dos «monstros» da estrada, que estavam arredadas, deste circuito, desde o final do Campeonato de Camião Racing, que terminou, lembre-se, em 2003.

PROGRAMA

Dia 9 - Sábado
14H30 – Treinos livres e cronometrados
16H30 – 1ª Manga de qualificação

Dia 10 - Domingo
10H00 – 2ª Manga de qualificação
11H00 – Espectáculo de Freestyle por PAULO MARTINHO com Ferrari, Smart, Peugeot 3000 V6, Motas e Quad – 1ª Sessão
14H00 – 3ª Manga de qualificação.
15H00 – Baptismo de convidados entre o publico para uma volta ao circuito em camiões de corrida.
15H15 – Freestyle por PAULO MARTINHO – 2ª sessão
15H45 – Finais Francesas
16H45 – Finais Franco-Portuguesas

Os bilhetes de entrada encontram-se à venda no Posto de Turismo de Montalegre

RM

Boticas

Andreia Rio fadista

A barrosã de Sapiãos, Andreia Rio, aluna da Escola de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado, foi a grande vencedora da Grande Noite do Fado, organizada pela Casa da Imprensa. O concurso foi realizado no Teatro S. Luís e Andreia Rio conseguiu impor-se entre setenta concorrentes de todo o país. Andreia Rio cantou o fado “Cansaço” de Amália Rodrigues e encantou com a sua voz um selecto juri que lhe atribuiu o honroso 1.º lugar.

O Dr. Artur Monteiro do Couto, também natural de Sapiãos, traçou na A Voz de Chaves o perfil da nova fadista que ganhou o 1.º lugar por mérito próprio.

À Andreia sorri agora um mundo de sonhos que, logo de seguida à sua consagração, começou a gozar. O pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Lisboa convidou-a a cantar num dos eléctricos de turistas.

Parabéns à Andreia e Viva Barroso!

Boticas e Outes geminados

No passado dia 19 de Julho, Boticas e Outes celebraram um acordo de geminação. A cerimónia decorreu no Salão Nobre da Câmara de Boticas esperando-se entre ambos os municípios uma estreita colaboração da qual poderão advir importantes benefícios económicos, culturais, sociais, desportivos e outros para as suas populações.

Outes é um concelho situado a poucos quilómetros de Ourense, sendo atravessado pela EN 525.

Xinzo

Concurso de pratos de batata

Em Xinzo de Lima decorre um concurso original que tem como objectivo principal a promoção da batata limiana e num segundo plano o aperfeiçoamento e a seleção de pratos cozinhados com batatas.

Assim, qualquer visitante que se desloque a Xinzo, poderá ter oportunidade, conforme o restaurante ou o bar escolhido, de apreciar umas tapas de batatas recheadas com vitela, cozinhadas com rãs, con milhos e berenjelas, rebuçadas com salsa e de múltiplas formas originais. Aderiram a este tipo de promoção 25 Restaurantes e Bares de Xinzo onde aos clientes, depois de saborear, se lhes pede que preencham um boletim de voto com o valor atribuido ( de 1 a 10) à respectiva apreciação.

A campanha mantém-se até 15 de Outubro, após o que o Salão Monográfico da Batata aproveitará a seleção das melhores para de seguida fazer a sua promoção durante a respectiva feira.

17/07/2008

Notícias

Aldeia Nova

Um Tractor na autoestrada

António Manuel Cabeleira Costa recebeu em sua casa uma notificação da Via Verde Portugal para identificação do condutor que transpôs a barreira da portagem sem ter pago as taxas devidas por lei.

O veículo referenciado pela matrícula 73-70-RO é nem mais nem menos um tractor marca Hurlimann, da Agro-Reparadora, de Joaquim Costa, que pertence ao António e que por conseguinte não poderia ter incorrido numa transgressão destas.

De acordo com a documentação anexa à carta de notificação, verifica-se que a infracção ocorreu na Autoestrada A9, na saida de Queluz, pelas 12,48 horas do dia 24 de Novembro passado. A notificação foi enviada por carta registada com aviso de recepção com data de 25 de Junho de 2008 e dirigida ao António Manuel Cabeleira Costa, Rua dos Lanos, 1 Aldeia Nova 5470-062Chã.

Afinal como é que funcionam os serviços da Brisa. Como é possível uma coisa destas? Carro roubado com matrícula falsa ou erro de captação dos dados identificativos da matrícula?

Mas o que realmente surpreende é a forma algo prepotente como a referida notificação se refere ao notificado afirmando que “se não proceder à solicitada identificação será considerado responsável pelo pagamento da coima e do montante de portagem em dívida, etc…”. E se se trata de um simples lavrador com pouca cultura (que não é o caso), lá terá de se deslocar a Montalegre, se calhar pedir a alguém que responda ao questionário, pagar o respectivo serviço e nisto tudo perde um dia de trabalho. A Brisa terá de rever os seus métodos de trabalho.


Barracão

Jogos populares

No dia 20 de Julho, a Associação "A Colmeia"realiza os Jogos Populares e para tal conta com vários apoios, entre eles, da Câmara Municipal de Montalegre. Os jogos são os seguintes: malha, jogo do galo, pau ensebado, malhão, tracção à corda, jogo da choca, entre outros.

Refira-se que o Barracão já, em tempos idos, realizou este tipo de festa tendo dela desistido por falta de apoios. Agora, eis que está de volta uma iniciativa muito querida da população de Barroso. Trata-se de reavivar memórias e tradições do espírito comunitário das nossas gentes.


Montalegre

Jogos ao ar livre

Com o apoio da Câmara Municipal de Montalegre, tem lugar, de 7 a 18 de Julho, uma série de actividades desportivas ao ar livre para jovens com idades compreendidas entre os 7 e os 15 anos. A organização conta, com esta acção, entre outros objectivos, «proporcionar a toda a comunidades escolar o contacto com actividades de natureza e lazer, transferindo a sua prática para o “ exterior” como forma de ocupação dos tempos livres; Incentivar a prática de exercício físico através de actividades ao ar livre bem como esenvolver a capacidade de observação, atenção, reflexão e poder de decisão».

Ao longo destes dias serão realizadas as seguintes actividades:

•Natação (jogos de água)
•Jogos Colectivos (basquetebol, voleibol, futebol, hokey, andebol)
•Habilidades motoras (perícias e deslocamentos)
•Percursos pedestres
•Jogos lúdicos e tradicionais
•Orientação (teórica e prática)
•Desportos radicais
•Passeios e visitas guiadas com piqueniques
•Canoagem
•Filmes (desenhos animados)
•Jogos de mesa (cartas, ping-pong, jogos de concentração, etc)


Junta de Freguesia distingue os idosos

A Junta de Freguesia de Montalegre juntou mais de uma centena de idosos no Parque do Cávado,

no dia 13, Domingo passado. A iniciativa contou com a presença do pároco de Montalegre, Vítor Pereira, que celebrou Missa e dirigiu palavras de muita oportunidade aos idosos. Também o Presidente da Junta, Armando Duarte, se mostrou satisfeito em promover este tipo de convívio, de resto já realizado em anos passados, e que considerou importante para quem precisa de solidariedade, como é o caso dos mais idosos.


Encontro de concertinas

No dia 5 de Julho, por iniciativa de Tony Mourão, emigrante de Meixide a trabalhar em França, haverá em Montalegre uma grandiosa concentração de Concertinas. Assim, pelas 14.00 horas, os tocadores começam a juntar-se na Praça do Município após o que seguem em desfile por algumas das principais ruas da vila. O convívio segue depois para o Parque do Santuário do Sr. da Piedade de cujo programa se destacam as desgarradas entre os cantadores mais afamados sendo eles o Cunha de Vila Verde, a Sargaceira, o Carlos Ribeiro, o Carvalho da Cucana, o Lopes de Cabeceiras, o Celorico, a Maria Celeste, a Adília de Arouca e o Duarte da Póvoa, para além de outras entre voluntários. A culminar o Encontro terão lugar no Campo de Chegas do Sr da Piedade, duas Chegas de bois com entrada livre.

A organização bem como o patrocínio é da responsabilidade da Câmara Municipal e, segundo dados que nos foram fornecidos, deverão juntar-se em Montalegre, nesse referido dia 5, alguns milhares de pessoas. Em perspectiva, um dia grande das Festas Concelhias. (ver Cartaz P16)


Santarém

Éguas de Barrosão na Feira Nacional

Como já vem sendo hábito, mais uma representação barrosã competiu com os maiores criadores de cavalos. Vai para 15 anos que o barrosão de Fírvidas, António Dias, radicado lá para as bandas saloias de Lisboa deu em criar e tratar éguas de raça e com alguma dose de ousadia levá-las à Feira Nacional de Agricultura onde se reúnem os maiorais deste tipo de criações e apresentá-las a concurso.

Todos os anos, e nós daqui acompanhamos o desafio, a Cudelaria de Lúcia Dias, sua estremosa filha, não só se perfila na representação como também arrebata honrosas e sonantes classificações.

Este ano, na Feira Nacional de Agricultura que decorreu entre 7 e 15 de Junho, estiveram representadas a nível nacional 52 éguas afilhadas. A cudelaria da Dra Lúcia Dias averbou o 4.º lugar, o que não pode deixar de se registar no periódico da região para conhecimento dos barrosões. Prova de que há barrosões de tal forma destemidos que onde se metem normalmente saiem-se bem, como foi o caso. Parabéns!


Boticas

Vinho dos mortos

Acaba de ser finalmente lançado no circuito comercial o tão conhecido e já mediático Vinho dos Mortos, por muitos considerado um ícone da gastronomia Botiquense. Desde tempos remotos cultivado em extensos vinhedos à época existentes na freguesia de Boticas e na sua congénere da Granja encontra-se a sua produção actualmente confinadas a duas ou três propriedades agrícolas exclusivamente situadas na sede do concelho. Anteriormente já comercializado sob aquela designação, que apenas lhe correspondia na versão popular, conquistou recentemente o estatuto oficial com a certificação de denominação de origem VINHO DOS MORTOS, na Classe Vinho Regional Transmontano.

O obreiro deste rigoroso, intrincado e minucioso processo foi o produtor Armindo de Sousa Pereira, apaixonado compulsivo pela agricultura e proprietário de uma extensa vinha situada na encosta da Poça da Cruz. Dinâmico e perspicaz, ousou enfrentar com estóica persistência e inflexível teimosia todas as fases que o regulamento impõe para a certificação de produtos de consumo e muito especialmente os alimentares.

Desde a adaptação aos métodos de tratamento das uvas na fase de desenvolvimento, à selecção das castas, ao acondicionamento em cubas inox hermeticamente fechadas, ao engarrafamento com rótulo identificativo e ao selo de registo de produtor, todas estas condicionantes foram escrupulosamente cumpridas, sob pena de ter de enfrentar as consequências decorrentes das normas legais e regulamentares que regem este procedimento. Fazendo uso das novas técnicas saídas da modernização agrícola e de equipamento da última geração, criou na sua unidade de confecção uma autêntica linha de engarrafamento em série. O recipiente de comercialização e constituído por garrafa de 750 ml, com rótulo identificativo do conteúdo, de formato esbelto e esguio, a desafiar a arquitectura do design mais avançado. A embalagem de transporte consta de uma caixa de cartão timbrado com a capacidade para três unidades, de fácil e cómodo manuseamento. Como recompensa de toda esta panóplia burocrática e logística foi pela Entidade competente declarado o Sr. Armindo de Sousa Pereira o único produtor/Engarrafador registado oficialmente para comercializar esta marca de vinhos.

Os pontos privilegiados de venda deste produto genuíno de Boticas serão agora, além do próprio produtor, o supermercado Mini-Preço e outras superfícies comerciais a quem o mesmo conceder tal prerrogativa, nas condições que reciprocamente vierem a ser acordadas.

Informações detalhadas sobre as características e qualidades deste néctar dos deuses poderão ser colhidas no posto de Turismo de Boticas e Repositório do Vinho dos Mortos à entrada da Granja.

Quem tiver paladar afinado e ousar ingeri-lo, não terá dúvidas de que este delicioso vinho não ressuscitará os mortos, mas garantidamente prolongará a vida dos vivos!...

JAdegas


Informação útil

Foram inaugurados no dia 15 do mês de Junho p.p. os radares de controlo de velocidade em todas as Vias Verdes.

O limite de velocidade é de 60 km/hora.

As infracções por excesso de velocidade têm as seguintes penalizações:

- Apreensão de Carta

- Multa de € 150,00